ROTA e-Sports - 10 anos de amizades


 
InícioPortalFAQBuscarRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 A última carga do Exército Brasileiro

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Cap.Virgulino
Tenente
Tenente
avatar

Data de inscrição : 30/01/2011
Número de Mensagens : 533
Reputação : 35
Pontos : 6355
Idade : 66
Cidade : Apucarana - Pr
Clan : Rota
Advertências no TS :
0 / 50 / 5

Advertências no Forum :
0 / 50 / 5


MensagemAssunto: A última carga do Exército Brasileiro    21/7/2011, 20:47

Um pouco de história do Brasil e nossa Cavalaria.

A última grande carga de cavalaria do Exército Brasileiro, num conflito externo, foi realizada pela 4ª Brigada de
Cavalaria no final da Guerra do Paraguai (1865-1870), na fase denominada“Campanha das Cordilheiras", na batalha de Campo Grande (ou Acosta – Nhú, ou ainda Nhú – Guazú como a chamam os paraguaios) travada em 16 de agosto de 1869.


Após a batalha de Peribebuy, o Exército Brasileiro, sob o comando do Conde d’Eu, parte em perseguição do
Exército Paraguaio, em direção a Caraguatay, no nordeste do Pa-raguai, em busca de uma batalha campal onde pudesse aniquilar o inimigo e por fim à guerra.
Pela estrada de Caacupé – Caraguataymarcha o grosso do Exército Brasileiro, inte-grado pelo 1º Corpo de
Exército do Gen José Luís Mena Barreto e pela 3ª Divisão de Cavalaria doCel Vasco Alves, sob o comando do próprio Conde d’Eu. Realizando um amplo mo-vimento pelo flanco direito, numa perseguição paralela à do 1º Corpo de Exército e a cavaleiro da estrada Barrero Grande – Caraguaty, marcha o 2º Corpo de Exército do Gen Vitorino, procurando cortar a retaguarda do inimigo.
Por volta das 08:00 h do dia 16 de agosto de 1869, a vanguarda do 1º Corpo de Exército choca-se
com o 2º Corpo de Exército paraguaio do General Bernardino Caballero, forte de 6.000 homens, num vasto campo denominado Nhu – Guazú.
O1º Corpo de Exército brasileiro, após reconhecer o dispositivo inimigo edesdobrar suas forças, lança-se ao combate, empregando sobre o centro paraguaio a sua infantaria, protegida em seus flancos pela cavalaria. O inimigo recua, batendo-se em retirada, ofere-cendo tenaz resistência, sem perder, contudo, sua formatura nem deixar de responder com sua artilharia.
Pouco depois das 08:00 h, o 2º Corpo de Exército brasileiro atinge a região onde se juntam as estradas Caacupé – Caraguaty e Barrero Grande – Caraguaty. Sua vanguarda choca-se com um destacamento paraguaio que protegia o flanco da força principal inimiga. Após breve combate os paraguaios são forçados a retroceder em direção a Nhu-Guazú.
Por volta das 10:00 h o 2º Corpo de Exército brasileiro apresenta-se no campo de ba-talha de Campo Grande, incidindo no flanco do grosso paraguaio. O Gen Vitorino lança parte de suas forças num movimento desbordante, procurando atingir a
retaguarda do inimigo e cortar a retirada paraguaia. Ao pressentir a chegada do 2º Corpo de Exército brasileiro e percebendo o movimento que este fazia para cercá-lo, o General Caballero, fazendo um último e supremo esforço, decide lançar sua reserva no combate, no intento de liberar a estrada para Caraguaty e permitir a retirada do Exército Paraguaio.
O furioso e derradeiro contra-ataque do inimigo choca-se com o destacamento do General Mallet ( do 2º C Ex) integrado pela 1ª Brigada de Cavalaria e pela Brigada de Infantaria Resin, apoiado por oito canhões.
Neste momento, por volta das 12:00 h, a 4ª Brigada de Cavalaria (2º C Ex), sob o comando do Cel Hipólito Ribeiro, integrada pelo 10º Corpo de Cavalaria do Ten Cel Chagas e pelo 24º Corpo de Cavalaria do Ten Cel Isidoro, forte de 600
homens, havia transposto o córrego Peribebuy e colocara-se à esquerda do destacamento do Gen Mallet, que recebia o impacto do contra-ataque paraguaio. O Cel Hipólito Ribeiro, percebendo a posição vantajosa de sua
brigada e procurando aproveitar a oportunidade que se apresentava, conduz a 4ª Brigada de Cavalaria em uma violenta carga contra a retaguarda paraguaia, destroçando o contra-ataque inimigo e aniquilando o último esforço do Gen Caballero, contribuindo, assim, decisivamente para o final da batalha.
O General Dionísio Cerqueira, que participou da campanha como alferes e tenente e foi testemunha ocular da carga da 4ª Brigada de Cavalaria na batalha de Campo Grande. Em seu livro “Reminiscências da Campanha do Paraguai”,
narra com detalhes este fato:
"Tiroteávamos cerrado, quando vi o bravo Alferes Firmino entusiasmado dando vivas ao Coronel Hipólito. Era uma brigada de cavalaria, que transpunha o passo, comandada pelo heróico chefe. Avançava na frente o piquete do príncipe,
com o Capitão João Teles, seu comandante.
Era de arrebatar! Aquela força magnificamente montada, avançava a galope sobre as linhas paraguaias, que se uniram e foram rapidamente apoiadas por uma grossa coluna cerrada, que surgiu de trás de um capão e não formou quadrado.
Do galope à carga foi um momento.Fuzilávamos os paraguaios quase de flanco. Ao lado do Teles, ia, firme nos
estribos, revoluteando a lança, um cabo do piquete. Que valente! Vi-o meter as esporas no cavalo e, com um salto enorme, penetrar naquela massa eriçada de baionetas. Ainda deu duas lançadas e sumiu-se. Após a carga, os esquadrões voltaram a formar-se. Nesse momento, os paraguaios investiram a baioneta sobre os nossos cavaleiros, que ganharam distância e voltaram a carregar".
Com o desastre do contra-ataque da reserva, os remanescentes do 2º Corpo de Exército paraguaio põem-se em fuga desordenadamente, sendo completamente destruídos pelos brasileiros. O Exército paraguaio deixou no campo de
batalha cerca de 2.000 mortos, 1.500 feridos, 100 extraviados, vinte e três canhões e seis bandeiras.
Na batalha de Campo Grande ocorreu o aniquilamento do Exército Paraguaio.
Encerrado o combate, o Exército Brasileiro reiniciou sua perseguição ao Marechal Lopes, presidente paraguaio, travando pequenos combates, até que em 1º de março de 1870, consegue cercá-lo e destruí-lo no combate de Aquidaban
ou Cerro – Corá, encerrando a longa guerra.

_________________







Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: A última carga do Exército Brasileiro    22/7/2011, 06:21

Excelente publicação Virgulino,essa é uma parte de nossa historia a qual eu nem fazia ideia de ter acontecido!Obrigado por compartilhar de tal conhecimento...Positivado. yes
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: A última carga do Exército Brasileiro    22/7/2011, 10:05

MUITO BOM SABER DESSAS INFORMAÇÕES POIS ADD MUITO PARA NOSSA CULTURA... NÓS FICAMOS MUITO VOLTADOS PARA OS ACONTECIMENTOS NO EXTERIOR E NÃO VEMOS O NOSSO PROPRIO PAÍS E SEU ACONTECIMENTOS HISTÓRICOS.....PARABENS PELA PUBLICAÇÃO......ADSUMUS. Smile_honoring
Voltar ao Topo Ir em baixo
KADU
Sargento de Armas
Sargento de Armas
avatar

Data de inscrição : 30/06/2011
Número de Mensagens : 497
Reputação : 13
Pontos : 6216
Idade : 45
Cidade : são paulo/sp
Advertências no TS :
0 / 50 / 5

Advertências no Forum :
0 / 50 / 5


MensagemAssunto: Re: A última carga do Exército Brasileiro    22/7/2011, 10:46

Muito bom!!!
Sem tantos recursos bélicos, a estratégia é fundamental.
e sem coragem, não há vitória!

obrigado.
abs
a todos
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: A última carga do Exército Brasileiro    22/7/2011, 16:31

A vitoria não vem sem sacrifio mas e ate estranho vc ver estas historias do brasil na guerra do paraguai não entendo quase nada e estranho pq so se ouve sobre exercito americano etc.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: A última carga do Exército Brasileiro    

Voltar ao Topo Ir em baixo
 

A última carga do Exército Brasileiro

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ROTA e-Sports - 10 anos de amizades :: Outros Assuntos - Fóruns Abertos :: Correio Militar-
criar um fórum | © phpBB | Fórum grátis de ajuda | Assinalar uma queixa | Fórum grátis